29 de março de 2015

Dedicado ao Professor Juscelino V. Mendes

Mestre como faço para tomar um café com você? Na verdade eu preferiria mesmo tomar uma cerveja e fumar um cigarro, mesmo que você fique só no café. Desculpe a intimidade de chamar de você. Esse ‘approche’ é simplesmente para ouvir, sede do saber. Prometo que, além de política, filosofia, religião, questões existenciais e quem sabe música, não lhe incomodarei com nem mais um assunto. Reconheço que o senhor... você... o senhor... Ah! Dane-se! Desculpe Mestre, vou chamá-lo de você, sou da geração contemporânea e essas regras no trato engessam minha conversação. Reconheço que você trouxe um tom especial em nossa Pós Graduação, foi um presente dos céus tê-lo como nosso professor. Acompanho seu blog – conforme o tempo me permite – e lá encontro sempre boas dicas de vida. Releio o Balé do Espírito e cada vez algo novo se apresenta, Ele está vivo. Obrigado por compartilhar seus conhecimentos conosco. Um abraço do seu amigo Zel.




Nota do autor: Texto dedicado ao Professor, Mestre e Amigo Juscelino Vieira Mendes. Clique no nome e siga o blog, sempre uma boa opção de leitura.

Zel Florizel