13 de agosto de 2017

Ugglan & boken: The Gap of Time

Ugglan & boken: The Gap of Time: Jeanette Wintersons senaste bok, The Gap of Time , är en av fem romaner som hittills finns i serien  Hogarth Shakespeare . Tanken bakom se...

9 de agosto de 2017

Virtual Puzzle by Raffaella Piccirillo

After a long year of great preparation, dedication and love for art, the singer-songwriter Raffaella Piccirillo presents us with another wonderful album. His latest work, Virtual Puzzle released on 21st July 2017 is available in digital and physical worldwide distribution. The album features twelve songs in varied genres such as pop and jazz where the listener will go into a true musical adventure.

Despite the short time to take care of the album's release and a series of activities involving her job as speaker, Raffaella was very kind in giving us this interview. The singer tells us that Virtual Puzzle is a re-reading of her EP 'Fragments of My Dreams' released in 2011; and new songs not yet published. "All the songs were recorded in acoustic versions with a more intimate and close atmosphere," she says.

Raffaella points out that being an independent artist, all the work was a result of musical collaborations and hard work involving artists from various countries. "This album is a tribute to music is like a virtual puzzle; even if there is a physical distance, through the digital means that we have today, we can unite the pieces of the musical world that are: the songs; the musicians; singers; authors; engineers among others, "she adds. The singer comments that inevitably the time for production is prolonged in this system, but it is worth.


The first song is Ragazzi, from the Italian, boys. According to the singer the song talks about the differences between girls and boys. "It is the most joyful lyric of the CD, it deals with a context situated in the universe of adolescence; however, reflected in an adult content as the inevitable behavioral differences between man and woman," she reveals.

In the sequence we have the song Brivido, from the Italian, Shiver. "The song speaks of that feeling you have when your soul is in doubt whether you want to be attached to your own body or separate from it to find the unknown, a different dimension, to change the earthly reality for this new one; it can have multiple interpretations," she describes.

The third track of the album is the song Angels of the Silence. The music has a delicate theme dealing with the issue of pedophilia; asked if she felt free to address this issue because she was not stuck on any label, she says: "As an independent artist, I have not yet wondered if the famous stamp artists are afraid to touch on that theme; when you sign a contract with a famous label, in large part you give up your freedom of expression in different aspects."

The album follows with the songs Stop! and Roxy: Stop! Has a more pop rhythm, is a cry for the end of the injustices committed by the outside world, is a song that denounces hypocrisy and dishonesty; Roxy is a personal dedication that Raffaella wrote in honor of her friend Rossella Ferraris (one of my favorites), a young poet who left prematurely. This is really a very special song; I cannot describe it here through words.

Everyday is the sixth track of the album, the song talks about varied feelings that a person experiences when a love story ends. "It is an inner struggle to get rid of negative thoughts, the desire to close the past and look to the future, because a better love is what you deserve," she adds.

Following, we have the songs Help Me and Lost: According to Raffaella, the song Help Me deals with the set of sensations and moods that are unconsciously felt when someone is afraid of being forgotten; And Lost brings a beautiful love story of two mortal souls forced to separate, yet they are inevitably destined to find themselves again in a new immortal life.

The ninth song is titled When a Man: it is the story of a soldier fighting in the war obeying orders against the enemy; however, this enemy is just an ordinary person like him, family's fathers away from their wives and children; the only difference is the search for a different goal, which consequently leads to the same cruel actions.

The tenth track is Nel Vento (Wind) is a song about people who fully live their love story and suddenly lose it 'like a fall leaf that falls and is lost in the wind'. "It's a kind of question and answer between man and woman, saying their version and point of view," she adds. 

Give Me Kisses is one of the bonus tracks on this album, an international collaboration with the composer Zel Florizel from Brazil. "I'm very happy of singing this song, I think my voice fit the arrangements well; and the song fit well with the rest of the album. Zel is also a great supporter of independent music; I will never be able to say enough thanks for his great support," she adds.

To complete the album in high style, Raffaella brings an acoustic version of the song Kiss From a Rose. "This song belongs to one of my favorite artists, Seal; singing it brings me immense pleasure and this acoustic version is a gift for anyone who buys the entire album," she points out. The singer is very happy with most such achievement in her career and adds: "Virtual Puzzle is a rather intimate album, very feeling; For me, talking about it abroad is already a great achievement."


Asked about the voice's care, Raffaella added that studying and practicing is sufficient for becoming a good singer. "Since you are a child, you should impose the correct use of your voice, not relying solely on your own personal talent, with exercises and much desire for your general voice and different styles. Being versatile is important, it gives you the ability of being technically ready and have a good musical vision," she emphasizes.

The album is available on Apple Music; iTunes; CD Baby and also on physical CDs. Virtual Puzzle is an Unforgettable Musical Travel; a gift Raffaella decided give us; an example of how powerful independent music can be if artists work together as a big family without vanities. You can learn more about Virtual Puzzle on: Raffaella Piccirillo Official Website.

by Zel Florizel

5 de agosto de 2017

Rock Essência na Feira Hippie

Leandro Lago
Nesse sábado 05/08 às 11:30 a Musissência e a Loja de artigos de rock, Rock Store convidam todos para o Evento "Rock Essência". Haverá muita música com o multi-instrumentista Leandro Lago. Além disso, a Rock Store estará sorteando camisetas para os presentes e na compra de um CD o participante também leva uma camiseta da loja com temas dos grandes ícones do Rock estampado.

O evento será realizado na Feira de Artes e Artesanato, mais conhecida como “Feira Hippie”; no Centro de Convivência Cultural de Campinas, no bairro Cambuí. Leandro também foi protagonista do evento Música na Praça apoiado pela Prefeitura Municipal de Campinas. O evento foi veiculado em uma bela matéria no Jornal da Cidade de Holambra, Jornal Local de Campinas e está também no site da Prefeitura Municipal de Campinas.

Para saber mais sobre o trabalho musical de Leandro Lago acesse: Musissência Fan Page. Conheça também o site da loja Rock Store e uma linha completa de artigos para os amantes do bom e velho Rock in Roll; como camisetas, jaquetas, coturnos e muito mais nos modelos feminino e masculino. Agradecimentos à página Alma Hippie por apoiar o projeto Rock Store. Vale a pena conferir!

por Zel Florizel

28 de julho de 2017

Tracy Colletto Music and History

A cantora e compositora Tracy Colletto teve seu contato com a música bem cedo, logo aos cinco anos de idade. “Lembro-me vividamente de estar no jardim de infância apreciando as novas músicas que aprendi; eu as cantaria para minha família assim que voltasse para a casa, então eles me pediriam para cantar para outros parentes e amigos,” revela.

Seu principal instrumento é a sua bela voz, geralmente Tracy toca piano ou teclado como acompanhamento em suas apresentações. “Sempre cantei, mas quando se tratou de tocar um instrumento musical na infância, escolhi a flauta, seguindo os mesmo passos de minha irmã, ela era muito boa com esse instrumento; porém, não dava para cantar e tocar flauta ao mesmo tempo”, brinca.

Na adolescência Tracy passou a tocar violão e escreveu as canções do seu primeiro álbum com o instrumento. Logo após, mudou para o piano seu atual instrumento e com o qual escreveu as canções de seu mais recente CD. “Embora eu sinta falta da portabilidade do violão, acho o teclado mais confortável e natural ao meu estilo de composição,” explica.


De acordo com a cantora, são muitos os artistas que a inspiram e de diversos gêneros, alguns deles são: Annie Lennox, Kate Bush, Ane Brun e Alison Goldfrapp, pelos vocais; Rickie Lee Jones e Tori Amos, pelas composições; e Bjôrk, pela criatividade. “Voltando no tempo, sempre admirei o fraseado de Frank Sinatra; mais recentemente, tenho escutado Dawes, Elbow e Ray Lamontagne”, acrescenta.

Sobre sua primeira apresentação, Tracy nos contou que não lembra ao certo onde foi. Sobretudo, sempre esteve envolvida com algo musical, seja no coral da escola, no teatro ou em casamentos. “A primeira apresentação das minhas músicas originais em público, foi em uma mostra de palco aberta em uma cafeteria local e meu amigo me acompanhou no violão. Eu estava tão nervosa, porque quando você executa música original pela primeira vez é algo realmente diferente, na ocasião eu cantei três canções,” relata.


Na primeira apresentação de Tracy não houve cachê. Contudo, a cantora pôde mostrar seu talento como intérprete e compositora o que a tornou mais autoconfiante. “Foi um alívio, porque eu finalmente compartilhei minhas canções; eu as matinha somente para mim nos primeiros anos; nem mesmo minha própria família as tinha escutado; mas agora eu estava feliz, elas eram apreciadas em público como as canções as que já tocam nas rádios,” enfatiza.

Tracy revela que começou a criar canções aos cinco anos. “Eram pequenos trechos que eu cantarolava andando pela casa; no começo, as canções falavam sobre voar ou vencer; mas logo elas passaram a expressar as emoções e o que acontecia comigo em determinado dia,” adiciona. Sua primeira composição foi ‘Fly Someday’, com cerca de um minuto.

A cantora destaca que em seu processo de criação quase sempre a melodia surge primeiro, baseada em uma emoção ou sentimento. “As letras demoram mais que as melodias, sei o que quero na música quando estou compondo, mas as letras precisam se encaixar bem foneticamente e combinar com humor da canção,” acrescenta. 

“Minhas criações favoritas são: Stay, essa é a minha predileta entre as baladas tristes, adoraria apresentá-la com um quarteto de cordas ao vivo; também gosto muito de Complete Peace, porque viajar e explorar são coisas que amo muito fazer e a letra trata desse tema; Patmos é outra música inspirada em viagem, ela fala sobre a beleza e os mistérios da ilha de Patmos; continuando, adoro Keep on Changing, essa canção apresenta a maravilhosa improvisação de Michael Ronstadt no violoncelo; e concluo a lista com The Ride, esse é meu querido country som, gosto dele porque é divertido, um pouco diferente e foi premiada no Independent Music Award como melhor canção do gênero alternativo,” destaca.
   
O mais recente trabalho de Tracy é o álbum Chocolate Happy Cake gravado na primavera de 2016 com as canções: It's Over, Falling Back, Patmos, Release Me, Stay, Open Road, Keep on Changing, The Ride, Summer, Complete Peace, Victory e It's Alright. A cantora enfatiza que é muito afortunada em ter tido excelentes membros de bandas profissionais trabalhando em seu álbum. Entre esses músicos estão: Kevin Hanson (guitarras); Erik Johnson (bateria); Chico Huff (baixo); John Conahan (cordas e piano); Gary Oleyar (violino e bandolim); Michael Ronstadt (violão); e o engenheiro de som e produtor musical vencedor de dois prêmios Grammy, Glenn Barratt.

Tracy se apresenta em torno de sete ao mês em cafés e casas de show. “São todos locais pequenos; contudo, me apresentar publicamente faz parte da minha prática” comenta. Suas apresentações são voz e teclado; a cantora adiciona que adoraria tocar com uma banda completa, contudo depende das casas em que se apresenta.

A cantora acrescenta que onde mora não há muitos locais para apresentação de cantores-compositores que pagam bem e bandas cover tocando em casamentos ou bares se dão bem. “Entretanto, os serviços digitais têm aberto portas para que minha música seja transmitida globalmente; isso impactou significativamente a venda de CDs nos meus shows; é também de onde vem a maior parte da minha receita,” revela. 

Tracy acrescenta que escolheu a música como profissão, pois, sempre teve a arte como meio de se expressar. “Quando fizer uma pausa com a música, ela me perseguira até eu voltar; a música é beleza e conforto, a vida sem música seria um pesadelo,” enfatiza. Recentemente a cantora fez uma mostra gratuita em uma biblioteca para apoiar uma instituição sem fins lucrativos que fornece instrumentos musicais para estudantes menos favorecidos.


Sobre o futuro no cenário musical, Tracy argumenta que é difícil fazer previsões com tantas mudanças. “Infelizmente, parece que a tendência é a música perder valor, pois a transmissão é gratuita e o acesso imediato diminuiu a atenção dada pelo público”, lamenta. Para Tracy, o ideal seria uma renovação de interesse na música ao vivo em um nível íntimo, de volta ao elemento humano básico. “A conexão humana é muito importante,” argumenta.

Uma das coisas que a desaponta é a industrialização da arte musical. “É lamentável que músicos extremamente talentosos não consigam encontrar público porque a música tem se tornado tão corporativa; no entanto, com a música online você tem um grande potencial para alcançar o mundo, com algum trabalho árduo e fortuna, o que me deixa feliz; somado a isso, o Spotify faz um bom trabalho para recompensar os músicos; e o Twitter tem sido a melhor fonte de conexão e network,” ressalta. Para saber mais sobre o trabalho de Tracy Colleto, acesse: Tracy Colleto Offcial Website; Spotify TwitterFan PageSoundCloudiTunes  e YouTube.


24 de julho de 2017

Ray Scott and Jupiter's Eye a Band Man

O músico, cantor e compositor Ray Scott (55); nasceu em Cleveland, Ohio, terra do Físico Donald Arthur Glaser, Premio Nobel em Física no ano de 1960. De acordo com Ray, sua infância foi uma época simples, porém, feliz. “Nós não possuíamos telefones celulares, então brincávamos na rua com as crianças vizinhas; patinávamos no gelo; andávamos de bicicleta; e brincávamos de pega-pega e esconde-esconde”, comenta.

Na adolescência suas atividades favoritas eram os shows e as festas. “A vida era tão divertida e normal; além disso, houve coisas desagradáveis também, mas ficaram para traz, é melhor esquecê-las” revela. O artista acrescenta que sempre gostou de música e tem vários músicos na família com desenvoltura para vários instrumentos. Ray ingressou na banda da quinta série e o sax foi seu instrumento de escolha e acrescenta que isso se deu porque não lhe ofereceram a guitarra. “Meu avô comprou meu sax e me encorajou. Ele foi incrível!” Ressalta.

O artista também se aventurou com a flauta e o clarinete; por volta dos quinze anos, finalmente conseguiu comprar sua primeira guitarra. “Por necessidade, comecei a tocar teclados e brincar com efeitos sonoros, porque queria enriquecer minhas músicas e nessa época minha banda era somente eu”, acrescenta.

O artista adiciona que jamais teve aulas de canto e também nunca gostou de sua voz. “Eu apenas canto porque não tenho ninguém para fazer isso; pensando no lado positivo isso nos dá uma sonoridade única”, enfatiza. Ray acrescenta que não fica nenhum um dia sem lidar com música, a não ser que esteja doente ou muito cansado. “Todas as noites estou em meu estúdio por pelo menos três horas”, completa.

O artista passou a ouvir músicas através de sua mãe que sempre tinha algo tocando em casa, e acrescenta que ela sempre o incentivara a tocar. Para Ray, a maior dificuldade no inicio de carreira foram frustrações por não ter condições de comprar o equipamento necessário na época. “As coisas não mudaram muito, faço minhas musicas com o que tenho e sou grato por cada pouco disso. Quando comecei a gravar as vozes, guitarras e outros sons usava um gravador portátil, o som ficava horrível!” Revela.

Ray começou a ter aulas de guitarra aos quinze anos, seu principal instrumento hoje. “Eu não queria ter que tocar a canção ‘Shoo Fly’ repetidas vezes, então comecei a estudar por conta própria; eu já sabia ler partitura, então isso não foi tão difícil”, comenta. “Eu gostaria de ter sax em algumas musicas da minha banda ‘Jupiter's Eye’; não tenho saxofone desde que começamos, por enquanto não posso comprar um; estupidamente vendi o meu último sax para sair de férias com uma garota, a pior decisão jamais feita”, lamenta.

Entre os artistas que o inspiram estão: Pink Floyd, King Crimson, Camel, Nektar, Alan Parsons, e Hawkwind. Sobre composições o cantor acrescenta que se considera mais um artista pintando com notas musicais do que um músico propriamente e sua inspiração vem de todas as coisas. Sua primeira composição foi um punk que escreveu aos dezesseis anos, chamado You've Got Gas. “Felizmente acho que já não existe mais”, brinca.

Em seu processo de criação, o artista costuma começar com guitarra ou teclados. “Quando encontro algo que gosto e se encaixa a um sentimento, expando e desenvolvo uma visão disso”, comenta. Entre suas composições favoritas estão: Down The Rabbit Hole (2013); Touch The Sky (2014); Slipping Down The Drain (2013) Prometheus (2013); e Secrets (2014).

Sua banda Jupiter’s Eye teve início em 2000, desde então gravaram cinco álbuns, sendo eles: Jupiter's Eye (2000); Illusional Responses (2003); Cosmic Cadence (2013); Tales Calculated To Drive You Mad (2014); World Apart (2015); e o EP Last In Space (2013). Atualmente trabalham no novo álbum ‘The Indefinite Continued Progression Of Spacetime’.


As trilhas instrumentais são todas de Ray, em algumas canções conta com a participação do baixista John Urankar. “John costuma fazer o baixo, mas ele não tem participado muito dos últimos álbuns, então eu gravo os baixos n teclado”, comenta. Além de John, o artista também conta com a participação de Ernie Elsahw. “Ele está trabalhando comigo em meu novo álbum; ele toca teclados, guitarras, contribui com vocais e letras; somos amigos desde o ensino médio”, acrescenta.

Para o artista a pior parte da música nos dias atuais é que com os softwares qualquer um pode fazer músicas. “Isso é bom e ao mesmo tempo ruim; é mais fácil para as pessoas que têm paixão pela música, mas é difícil encontrar algo de bom com todos os riffs e raffs que estão por aí; voltando no tempo os anos 70 foram os melhores; se eu tivesse começado a fazer música nos anos 60 haveria uma chance de ter sido uma carreira de dinheiro; eu culpo os anos 80 por arruinar a música, foi tudo em declive depois disso; agradeço os artistas que eu conheci no Reverbnation e Soundcloud, por restabelecer um pouco minha fé na humanidade”, desabafa.

Para Ray, a música é algo interior que ele não consegue parar. “Para mim, a música é o mais importante na vida, eu daria qualquer coisa para viver apenas dela; é o que me permite ser criativo e expressar-me”, enfatiza. Por dois anos Ray foi voluntário na direção da banda contemporânea da igreja além de seu trabalho com a música.

Sobre a complexidade do mundo o artista argumenta que não vê o mundo tão complexo assim e acredita que são as pessoas que complicam. “Seria ótimo se o dinheiro não tivesse poder sobre tudo e todos; se vivêssemos em harmonia e amássemos uns aos outros; eu certamente desejo que nós parássemos de nos matar uns aos outros, a vida já é muito curta!” Ressalta.

Ray acrescenta que procura ser otimista sobre tudo e geralmente é feliz como pessoa. “Eu amo minha família e amigos, minha música e meu cachorro, essas coisas me deixam feliz; as coisas que me perturbam são as atrocidades que acontecem no mundo,” acrescenta. Para saber mais sobre o trabalho de Ray Scott acesse: ReverbNation, SoundCloud, BandCamp e Fan Page.