21 de fevereiro de 2017

Funcamp - Concurso Público em Campinas, Piracicaba e Limeira

A Fundação de Desenvolvimento da Unicamp - Funcamp, abriu o processo seletivo para vagas de Copeiro Hospitalar, Copeiro e Cozinheiro. Os salários podem chegar até R$ 1.600,00. São algumas vagas distribuídas nas cidades de Campinas, Piracicaba e Limeira. Para mais informações acesse o site da Funcamp. É uma boa oportunidade para quem está buscando recolocação no mercado de trabalho. As inscrições poderão ser realizadas no período de 20/02/2017 a 09/03/2017. Os interessados deverão levar os documentos exigidos no edital pessoalmente ou por meio de pessoa autorizada. 

21 de janeiro de 2017

Sebastian Martiny Music and Life

Com o advento da internet o mundo se tornou uma aldeia global. Outrora seria raro ter acesso a tantas culturas diferentes como nos dias atuais. Na musica diversos novos nomes vêm chegando para enriquecer ainda mais uma das mais antigas artes do nosso planeta. Artistas independentes de todo o planeta utilizam a plataforma para divulgar sua arte, e os grandes selos estão com as ‘barbas de molho’, pois, a qualidade da indie music – como é universalmente conhecida – já suplantou há muito tempo a musica comercial.

Exemplo disso é o cantor, músico e compositor Sebastian Martiny (19). Sebastian nasceu em Aarhus – Dinamarca e logo após mudou-se para Copenhagen onde cresceu e alimentou seus sonhos de infância e juventude. O artista nos conta que sua infância não foi muito fácil, porém, conhece pessoas que atravessaram grandes dificuldades e conseguiram vencer, então, não costuma reclamar. Na época de escola Sebastian teve problemas com alguns garotos. “Apanhei um bocado, às vezes tinha que me esconder para evitar atritos”, revela. Devido essas circunstancias o garoto se aprofundara na leitura e no estudo de seu instrumento, o violão.

Na adolescência o artista ficou por um ano em um internato dinamarquês, e acrescenta que foi lá onde ele realmente aprendeu a acreditar nele mesmo. “Esses internatos tem um efeito muito bom sobre os adolescentes”, comenta. “Viver com outras pessoas da mesma idade ensinou-me que se eu quisesse ser respeitado, teria que trabalhar para isso”, enfatiza. Sebastian acrescenta que sempre que se vai empreender algo há sempre alguém melhor, portanto é necessário dedicação e trabalho duro para ver resultados.

Seu sonho de se tornar um artista no ramo da musica teve início ainda na infância, o cantor nos conta que naquela época lhe faltava coragem para empreender no mundo musical. “Lembro-me de correr por aí tocando meu violão ao ar na sala de estar, sonhando com os grandes palcos”, enfatiza. Seu tio – que também era violonista - foi quem colocou tudo em movimento dando-lhe o primeiro violão e seus pais rapidamente arranjaram um professor, Sebastian estava na quinta série da escola o ano foi 2007.

Apesar dos seus dezenove anos, o artista acredita que começou a cantar um poupo tarde, apenas há dois anos. Recentemente conta com a ajuda de um mentor musical que o está ajudando a definir seu estilo. Semanalmente Sebastian dedica cerca de dez horas desenvolvendo suas musicas para seus projetos online, tendo seu tempo de lidar com musica reduzido por estar trabalhando em outra atividade em tempo integral. Contudo, a musica continua firme, presente e com muitas novidades em sua vida.

O artista nos conta que sempre teve muito apoio de seus pais. “Eles sempre quiseram que eu aprendesse como me cuidar, mas, quando me interessava por musica e esportes eles de bom grado me emprestavam dinheiro”, comenta. Já em casa Sebastian teve a oportunidade de aprender piano com seu pai, que além de pianista foi cantor de ópera.

Perguntado sobre as dificuldades no início de carreira o artista argumenta que em primeiro lugar é a motivação para aprender e dedicar ao seu instrumento, “é preciso muita disciplina”, acrescenta. Outra questão apontada pelo cantor é: como saber se está fazendo o suficiente e as coisas certas para a carreira. “Você encontra-se deitado à noite, preocupado e o sono que não vem. O que aquela pessoa quis dizer com aquilo? Perdi uma oportunidade? Estou trabalhando duro o suficiente? Será que vou ter sucesso?”, reflete.

Seu principal instrumento é o seu amado violão como ele mesmo diz. Além de seus trabalhos solo Sebastian toca com a banda Red Paradise. O artista nos conta que aprendeu seu instrumento com o mais inspirado e motivado professor do planeta, seu querido professor Rasmus. Ele iniciou suas aulas há nove anos e recentemente teve que parar para fazer algumas viagens pelo mundo. “Foi um triste adeus, ele foi quem me ensinou a vida inteira, sempre paciente, repetindo quantas vezes fossem necessárias, com sorriso no rosto, sempre me senti amparado por ele, voltava para casa melhor a cada aula e cheio de esperança”, enfatiza.

O cantor nos revela que escolheu o violão como instrumento para encantar as garotas. “Eu queria aprender musica e arranjar namoradas, por que não unir o útil ao agradável?”, brinca. Contudo, comenta que acabou se apaixonando pelo instrumento e se esquecendo de pegar garotas. Sua grande inspiração musical é  Crystal Strings, um artista de um pequeno canal do YouTube, “Ele mostrou-me que qualquer pessoa pode fazer ótimas musicas, a comunidade online que ele criou é um grande inspiração, as pessoas se ajudam e criam boas canções juntas”, argumenta.

Sua primeira apresentação foi no natal de 2008, seu professor queria que ele se sentisse confiante em um palco, então ele lhe empurrou com sua guitarra em uma apresentação. “Naquele momento eu estava nervoso como sempre, e depois de uma sequencia de performances horríveis, eu finalmente me encontrei no palco”, revela. Agora o artista acrescenta que se sente a vontade para cometer erros, “as pessoas que o assistem querem que você se saia bem, porque provavelmente elas pagaram para isso”, comenta.

Sebastian é uma raridade, um dos poucos artistas que fazem musica por puro prazer sem se importar com questões financeiras. “Jamais fui pago por minhas musicas, não estou nisso por dinheiro, só quero que as pessoas apreciem as minhas musicas, tantas quanto eu fizer”, enfatiza. O artista comenta que tira seu sustento de seu trabalho e tem seu tempo para compor e gravar suas musicas, sua arte é um presente para as pessoas que vivem por todo o mundo.

Ainda sobre seu primeiro show o artista acrescenta que foi horrível, não estava preparado, para o segundo show já estava melhor, “alguns dos outros artistas me olharam com arrogância quando entrei no palco, mas mudaram rapidamente quando me ouviram tocar, foi uma sensação ótima, ainda hoje sinto orgulho daquele dia”, relata.

Sebastian começou a escrever musica em 2012, sentindo que havia muitas coisas que ele gostaria de dizer. Sua oportunidade surgiu quando ele começou uma banda da escola. “A banda teve muita ajuda, e nós queríamos fazer nossas próprias musicas”, comenta. Sua inspiração vem das coisas da vida, análises sobre as coisas que acontecem no diário viver e também uma forma de dizer obrigado às pessoas que o ajudam no decorrer de sua jornada.

Sua primeira criação foi a musica Blaze (2013), Um de seus instrumentos foi queimado com todos os seus pertences em um festival enquanto ele se encontrava na apresentação. Tal fato, interessantemente, o levou a refletir sobre amizades que vão para um caminho errado. A maioria de suas canções são escritas durante suas viagens. “Ao escrever, coloco na minha playlist faixas relaxantes e começo a pensar em um tema, primeiro defino o significado da mensagem que quero passar e depois reflito sobre a melhor forma de transmiti-lo”, revela. Suas canções geralmente são escritas com um verso explanando sobre determinado problema, outro sobre sua reação ao fato e por último uma ponte que busca mostrar uma solução para a questão.

Sebastian é também um adepto às colaborações musicais com outros artistas. Um dos trabalhos que mais aprecia é a musica By The Water(2016) escrita e produzida por ele e interpretada pela cantora Carla. Também têm trabalhando em alguns projetos com youtubers, que são em sua maioria gamers. Entre suas criações a favorita é a canção Happy Rain, “eu a gravei há muito tempo e somente recentemente conclui, gostei muito do resultado”, ressalta. O artista também recomenda sua coletânea Made in China Project, as musicas estão disponíveis em seu web site. Está disponibilizado também para download gratuito  o CD Thoughts com as musicas: ‘Stages’, ‘Learning the Basics’, ‘Prowness of Mankind’ ‘Depths of a Broken Mind’, ‘Distopia’ ‘Troll in You’, ‘Power of Motivation’ ‘The Call’ ‘On Fire’, ‘In the Darkest Hours’, ‘Blaze (Instrumental)’, ‘Strength of Sofia’ e ‘Letting Out’.

Quando faz shows está geralmente acompanhado por sua banda com: Rodbuks, nas guitarras e vocal; Louis na bateria; Mads no baixo; Magnus no piano. O artista ressalta que enquanto puder fazer musica por prazer e gratuitamente continuará fazendo. As dificuldades no inicio de carreira para ele é a continua motivação. “Você precisa acreditar em você para fazer seu trabalho e abraçar as oportunidades, a minha sorte e ter ótimas pessoas ao meu lado, sem essas pessoas eu nunca teria coragem de subir a um palco e melhorar a cada dia”, comenta.

Para Sebastian musica é tudo, algo que controla as emoções e um ótimo meio de criar felicidade para nossos corações. “Imagine uma seção de treino sem musica, ou uma festa sem musica, a musica coloca cor em nossas vidas e é, portanto, um honrável uso do tempo”, salienta. De acordo com o artista a musica é o que mantém para cima, acrescenta que sem ela se sentiria perdido sem direção, “ao passar pela vida, você precisa de objetivos ou você vai apenas sentir-se flutuando em um mar sem importância”, comenta.

Além de seu trabalho e sua musica, Sebastian também realiza trabalhos voluntários arrecadando fundos para a Cruz Vermelha, e conta que esse trabalhou o ajudou a melhorar a visão que tinha das pessoas, pôde ver o quanto as pessoas querem ajudar, tanto quanto elas possam. Perguntado sobre suas expectativas sobre o mundo o artista comenta que, o mundo está melhorando, porém, se preocupa com nosso modo ocidental de viver. “Temos certeza de que descobrimos a verdade e, portanto, estamos forçando outros povos a aceitá-la, muitas vezes a história nos provou que estamos errados, precisamos olhar em torno de nós e aprender com os outros, não apenas tentar moldá-los em pessoas como nós”, enfatiza.


O que desaponta Sebastian é o direito que algumas pessoas sentem em se acharem melhores do que outra, “nós somos todos melhores que outros em alguns pontos e piores em outros, excesso de alto-confiança pode se converter em arrogância”, afirma. O artista também diz que não gosta de perder tempo, e quando outra pessoa o faz perder tempo seu humor muda, acrescenta que precisa trabalhar sobre este aspecto. Sobre as coisas que o deixam feliz, ele afirma que por sorte há uma porção delas como: treinar, compor, estar com amigos e realizar seus objetivos. “Estar pronto para trabalhar e colocar esforço nisso é realmente o que melhora meu humor em dias chuvosos”, acrescenta. Para saber mais sobre o trabalho de Sebastian Martiny acesse seus canais na web em: Website OfficialYouTubeTwiiterSoundCloudInstagram e ReverbNation.

30 de dezembro de 2016

Elisa Duwez - This Is Not A Love Song (Remix)

A cantora Francesa Elisa Duwez continua contagiando as pistas da Europa e do mundo com suas performances impressionantes. Seu novo trabalho This Is Not A Love Song é uma colaboração musica que conta com a participação dos DJs italianos SDG, Bismark Skoopman e Riccardo Sada pelo solo Royal Supreme


Além da voz suave e marcante que se encaixa perfeitamente na Eletronic Dancing Music a cantora tem um contato muito próximo com seus fãs, o que enriquece ainda mais seu trabalho e seu número de admiradores aumenta a cada dia em todo o mundo. A cantora nos revela que está reabastecendo as baterias para vir com muitas novidades em 2017 e deseja à todos um Feliz Ano Novo. Para conhecer mais musicas de Elisa acesse: Elisa Duwez - Discografia




22 de dezembro de 2016

Matt Steady Music and History

Londres é o principal centro da Inglaterra, um dos berços culturais da Europa, rota certa para turistas de todo o mundo. Terra de grandes nomes da musica internacional como Elton John entre outros e também conhecida pela sua bela arquitetura. É de lá que vem o cantor, compositor e músico Matt Steady (42). Matt nos conta que teve uma infância tranquila como qualquer criança, com momentos agradáveis e outros momentos não muito. Porém, seus pais sempre deram total apoio e amor. A família viveu em Rhodesia- Zimbabwe por algum tempo. Ainda quando muito pequeno a família do artista foi obrigada a mudar-se de seu país devido a guerra pela independência que tomava conta de sua terra natal. Matt diz que não se lembra de nada, somente de ter voltado e encontrado o tempo na Inglaterra incrivelmente frio.

Dos dois aos seis anos o artista nos conta que tem algumas poucas memórias, contudo, momentos felizes. Na casa não havia televisão então suas principais atividades era a leitura, andar de bicicleta pela vizinhança com seu irmão e jogar cricket no parque com seu pai. O computador foi uma atividade presente para Matt desde muito cedo, o que o conduziu para uma boa carreira nessa área. Na adolescência o cantor passava a maior parte do tempo tocando violão, ouvindo musica e criando games em seus computadores. Sua jornada pela musica iniciou-se entre os sete e oito anos com aulas de violino e piano, o que o levou a participar de orquestras e corais. “Eu não tinha certeza se eu realmente gostava daquilo, mas, foram certamente boas experiências”, comenta. Acrescenta ainda que era complicado acordar sábado de manhã para os ensaios de musica.

Sua experiência com o canto foi no coral da escola, onde esteve por muitos anos, na teve aulas particulares ou qualquer coisa do gênero na época. Porém o artista teve problemas vocais quando cantou no teatro The Snowman durante um ano. Após o ocorrido continuou cantando no coro da escola, porém não se sentia a vontade cantando tenor e nem baixo, o primeiro era muito alto para sua voz e o segundo muito baixo. Recentemente Matt iniciou aula de canto, “gostaria de ter começado isso décadas atrás, as aulas fazem uma grande diferença, meu alcance vocal expandiu, meu tom se tornou mais redondo e mais quente, e o volume dobrou”, revela. Levando a musica muito a sério o artista pratica canto e instrumentos diariamente. Além de sua rotina de shows, aulas de mixagem, produção, masterização e outras atividades relacionadas com a musica.

O artista sempre contou com o apoio dos pais, colocando-o em aulas de musica, comprando seus instrumentos e motivando-o. Matt nos revela que a maioria das pessoas aprecia suas musicas, o difícil é fazê-las escutar pela primeira vez. “Ser ouvido no exterior é uma tarefa difícil. Há tanta música maravilhosa lá fora que na verdade você se pergunta por que alguém iria querer te ouvir! Ter a confiança para acreditar que as pessoas vão realmente gostar da música é muito importante”, enfatiza. Seu principal instrumento é a guitarra e tem muita intimidade com o violino e a rabeca também. O músico é frequentemente convidado para tocar rabeca em gravações de outros artistas. “Acho que é porque há um grande número de guitarristas e poucos violinistas”, acrescenta.

O senhor Cunningham, a senhora Loux e Andrew foram seus professores de violino em sua escola. Seu professor de piano – também de sua escola – foi o senhor Dean, “eu aprendi bastante, mas eu não acho que ele estava particularmente encantando em me ensinar”, brinca. Além de Dean Matt teve aulas de piano com outro senhor que não se recorda o nome, lembra apenas que ganhava Malteser – tipo de chocolate – quando se saia bem nas aulas. O artista nos conta que teve a sorte de seus pais pagarem todos os seus cursos de musica enquanto vivia com eles e recentemente seu aprendizado na musica é financiado por ele mesmo. “Talvez eu devesse pedir-lhes para continuar pagando, embora eu não tenha certeza que iria colar”, brinca. Sua primeira guitarra acústica custou trinta euros e foi um presente de seu avô.


Entre os artistas que inspiram Matt na guitarra estão: Eric Clapton, Mark Knopfler, Gary Moore, Stevie Ray Vaughan, Robert Cray, BB King, Pink Floyd, Black Crowes, Steve Vai, e Iona; e, no violino: Seth Lakeman, Show of Hands, the Levellers. Em especial sua performance acústica tem sido fortemente influenciada por Damien Rice, Martyn Joseph a Jeff Black. Sua primeira apresentação foi na igreja local aos treze anos tocando guitarra para a banda diante de uma considerável plateia de congressistas. Sua primeira apresentação solo foi no The Custad Bar em Loughborough. “Era um pequeno bar onde eu toquei espremido em um pequeno espaço debaixo de algumas escadas, toquei lá por algumas semanas, foi um experiência de aprendizado fantástica”, ressalta. Na época o cachê de vinte euros deu para cobrir os custos com o combustível. “Teria tocado de graça de qualquer forma, pois, gostei muito! Reforçou minha confiança ao ver as pessoas vir e dizer o quanto gostaram do show”, enfatiza.

Além de cantar e tocar vários instrumentos de cordas, Matt também cria letras e melodias. O artista nos revela que embora atue na musica a mais de trinta anos, suas primeiras canções começaram a surgir apenas há alguns anos. De acordo com o artista, sua inspiração vem de toda a parte, “tudo que eu olho parece me trazer o gérmen de uma ideia para uma canção, experiências da minha vida, de amigos, parentes, notícias, filmes, livros, outras musicas e certamente a natureza”, acrescenta. A primeira canção escrita por Matt foi a musica The River. De acordo com o artista seu processo de criação é variável, às vezes escreve a letra e lhe vem a melodia em seguida. Porém na maioria dos casos escreve uma ou duas frases acompanhadas de alguns acordes. “Eu toco com diferentes sons, ritmos, texturas e instrumentos até algo inspirador tocar em mim, então, eu sigo por esse caminho”, acrescenta. O compositor revela que oitenta por cento de seus trabalhos são gravados antes mesmo de concluir a letra.

Em sua jornada pela musica Matt também tem algumas colaborações musicais, entre elas a sua predileta é a canção Steel and Rust em parceria com o cantor e compositor inglês de Yorkshire, Darren Ellis. “Ele ficou em minha casa por um dia e criamos essa canção que trata sobre o declínio dos navios britânicos. Gravamos uma versão de estúdio e uma ao vivo e tocamos naquela mesma noite! Está no meu novo álbum e eu absolutamente adoro essa musica”, enfatiza. Entre suas criações prediletas Matt aponta a musica Funny Old World. De acordo com o autor a combinação de musica, vocais e letra vieram todas juntas, “me tocou como uma perfeita tempestade sou muito feliz por essa criação, toda vez que a escuto balança as minhas emoções”, ressalta.

Em 2015 gravou seu primeiro álbum intitulado “Blood Is Thicker Than Gold”, contendo canções originais e uma regravação. Atualmente trabalha na divulgação de seu novo álbum “Feels Like Coming Home” (2016) com treze canções que já está disponível em formato digital. Nos dois álbuns Matt contou com a participação do percussionista suíço Niklas J. Blixt, “a percussão de Niklas têm realmente trazido mais vida para minhas canções”, enfatiza. Além de compor e tocar a maioria dos instrumentos, Matt é quem produz, mixa e masteriza todas as suas criações. A arte de seu álbum são fotografias de autoria do fotografo e seu amigo Nick Tsiatinis. Atualmente o artista se apresenta de cinco a seis vezes por mês. Na maioria dos shows o cantor traz versões acústicas de suas canções com voz e violão, às vezes é acompanhado por sua filha que divide com ele os vocais. Para 2017 planeja fazer alguns shows e parceria com seu parceiro Niklas. O artista também se apresenta tocando com uma banda tradicional irlandesa chamada Cruel Sister. “É muito divertido incrível - esse tipo de música faz todo mundo subir e dançar e cantar”, acrescenta.

Uma das dificuldades que o cantor encontra na carreira musical é o fato de que a maioria das casas de shows procura mais por bandas que artistas solos. Contudo, Matt nos conta que a musica sempre influenciou profundamente sua vida, “em tempos difíceis a musica me ajuda a ordenar e escolher minhas emoções e pensamentos, a musica faz tempos felizes serem feliz, e te orienta nos tempos de tristeza, ajudar outras pessoas através de minha musica é um privilégio” salienta.

A gravação do novo álbum foi financiada por uma campanha PledgeMusic com pré-encomendas. Uma porcentagem do dinheiro foi da venda foi doada para a Ashmount Special School em Loughborough (Inglaterra). De acordo com o artista, esta escola trabalha com crianças com dificuldades, “eles fazem um trabalho tão maravilhoso que eu quis apoiar”, enfatiza. Matt e sua filha se apresentaram na escola na festa de Halloween voluntariamente. O artista sempre toca em shows e eventos de caridade. Além da música, Matt comenta que também tem realizado treinamentos de karatê e luta livre há alguns anos em clubes sem fins lucrativos.


Perguntado sobre a complexidade do mundo o artista comenta que quanto mais velho ele fica menos ele entende o mundo “Penso que uma porção de pessoas acha que o modo que elas vivem é o certo e o melhor de se viver. Contudo, eu começo a sentir que podemos aprender com todo tipo de estilo de vida e países”, comenta. E acrescenta: “o mundo continuará se modificando, mas, nós manteremos aprendendo?”. O que o chateia é ver as pessoas abusarem de outras pessoas. E, o que o deixa feliz é a musica, a família e os amigos. Concluindo nossa entrevista, Matt deixa o seguinte recado: “estou muito grato a todos que compraram as pré-encomendas para o novo álbum, permitindo-me fabricar os CDs sem quebrar!”. Para saber mais sobre o trabalho de Matt Steady acesse seus canais na web em: Matt Steady Official Website, BandCampFan Page, Twitter e SoundCloud.


16 de dezembro de 2016

Flor da Rosa Crato Portugal (HD)



FLOR DA ROSA, aldeia pertencente ao conselho do Crato, localizada no distrito de Portalegre é uma aldeia com muita história. Com fontes medievais, moinhos de água e solares. As casas são caiadas de branco, com ombreiras coloridas, com uma simplicidade própria característica dos seus habitantes, cuja atividade principal era essencialmente a olaria. Dos monumentos destaca-se o imponente Mosteiro da Flor da Rosa, de grandes dimensões, concebido no sec.XVI e onde se destacam pela sua grandiosidade o Claustro e a antiga Sala do Capítulo. Hoje em dia transformada numa das Pousadas de Portugal, é um convite para uma visita e estadia. Diz-se que foi o lugar onde nasceu D. Nuno Álvares Pereira, razão pela qual ali encontramos uma estátua alusiva ao Mestre de Avis. Por Carlos Pais – 2016.


FLOR DA ROSA, it's a village that belongs to the minicipality of Crato, Portalegre district, with medieval sources, water mills and solars. The houses are whitewashed with colorful bands, with its own characteristic simplicity of its inhabitants whose main activity was essentially pottery. You should visit the Monastery of Flor da Rosa, designed in the XVI century. It has a beautiful Cloister. Nowadays it's one of Pousadas de Portugal, you can stay there when visiting. It is said that was the birthplace D.Nuno álvares Pereira, which is why you'll find a statue of Master of Avis. By Carlos Pais – 2016.