11 de maio de 2017

Como Desenvolver Bons Hábitos

A civilização moderna tem se aprofundado na era do entretenimento e no mundo das ideias. Com o advento da internet o acesso ao conhecimento se tornou algo muito fácil. Contudo, o mar de conhecimento que circula na rede nem sempre é bem aproveitado. Mas por quê?
Um dos motivos é que a falta de foco se tornou uma 'máxima' nesses dias. Enquanto esse texto é escrito chegam notificações de um punhado de redes sociais. Escrever algo que acrescente, do mesmo modo que é bom para quem lê, também o é para quem escreve e haja disciplina para escapar das distrações. Desse modo percebe-se que, é menos trabalhoso e divertido ver postagens, fotos engraçadas e vídeo nas redes sociais do que se dedicar a algo relevante.

Passam-se horas, dias, meses e anos, porém, as possibilidades de se desenvolver novas habilidades são negligenciadas. Ocorreu uma inversão de prioridades no mundo contemporâneo, o tempo de produzir se tornou menor que o tempo de relaxamento. E a espera que algo aparece como num passe de mágica permanece, ou seja, algo que vai salvar a colheita de uma hora para outra. Espera-se assim, transformação sem ação.

Não obstante, são incontáveis os estudiosos e palestrantes que concordam que os bons hábitos podem ser cultivados. Os hábitos improdutivos se agarram nas pessoas sem que elas façam algum esforço para isso, basta usar o refrão daquela musica perniciosa que virou tema de uma dessas copas qualquer: "deixa a vida me levar". O bom hábito necessita de foco, força, disciplina e amor. Somado a tudo, isso uma dose de auto-recompensa, também é bem vinda.

O primeiro passo é sair da posição de vítima. Sempre terá um culpado para o vitimista, e esse culpado jamais é ele mesmo. O vitimista gasta horas se lamentando, não apenas para as pessoas que o rodeia, mas também para si mesmo, no profundo de seu âmago, em um cenário mental desgraçado que criou para si mesmo como desculpa para sua inércia. Esse tempo precioso está sendo empregado para desenvolver uma série de patologias futuras, inclusive a depressão, que é uma das mais graves.

Para libertar-se do vitimismo a receita é simples: trabalhe com as ferramentas e com o conhecimento que tem; e busque constantemente aperfeiçoar seus conhecimentos e ferramentas. O vitimismo está relacionado com o egoísmo, o vitimista sempre está preocupado muito mais consigo mesmo do que com as outras pessoas, seu problema é sempre o mais importante e até o mais interessante. Uma das frases mais usadas pelo vitimista é: 'Ninguém sabe o que eu passo'.

O segundo passo é se envolver com pessoas positivas, pessoas de sucesso. Lembre-se que a quantidade de dinheiro que uma pessoa tem não representa o seu nível de sucesso. Sucesso é paz, realização interior e reconhecimento. Sucesso não é trabalho duro, ter sucesso é fazer o que gosta e ainda ser pago por isso. Há uma série de definições para a palavra sucesso, porém, isso daria um livro, e não é a intenção desse artigo.

O terceiro passo é: aprenda a gostar do seu trabalho. Você pode até querer mudar de ramo de atividade, isso é válido. Porém, querer e não fazer nada para que isso ocorra é um gasto tremendo de energia mental. O meio é: querer e agir para obter. Por exemplo: se você estudar meia hora de outro idioma por dia será extremamente melhor do que não estudar nada. Pode ser outro idioma ou qualquer outro tema que traga crescimento pessoal e profissional. 

Lembre-se, seu trabalho é sagrado, é através dele que compra seu alimento, paga as faturas de água e energia elétrica para poder ter banho quente todos os dias. É pelo seu trabalho, ou pelo trabalho de alguém, que a assinatura da internet que você está usando agora para ler esse artigo é paga. É o seu trabalho que paga seu descanso e seu lazer. 

O quarto passo é: adquirir o gosto pela leitura. Para adquirir o gosto pela leitura, comece com livros que trazem temas de seu interesse; determine uma quantidade de capítulos, páginas ou horas para ler todos os dias. No começo, ‘pegue leve’, e depois vai aumentando essa quantidade gradativamente. Preste muito bem atenção nisso: quem lê sabe muitíssimo mais; e, quem não lê, sempre é mais fácil de ser passado para trás. Pegue uma quantia de seu salário todo mês e compre um livro ou mais. Provavelmente em sua cidade deve haver alguma loja que tenha bons títulos e bons preços.

O quarto passo é: crie objetivos realistas e desenvolva metas para chegar nesses objetivos.  O que você queria ser quando crescesse? E agora, por que você não quer ser mais nada? Nesse caso, não há diferença entre uma criança e um adulto: a criança tem sonhos e o adulto tem objetivos.  Sonhos e objetivos, nesse caso, são sinônimos. A grande diferença é que uma criança nunca deixa de sonhar. Contudo, o adulto constantemente abandona seus objetivos.

O quinto passo é: preste mais atenção em todos e em tudo. Você percebeu que eu coloquei o ‘quarto passo’ duas vezes? Isso foi proposital, para você mesmo ver se você está concentrado no que você está lendo. E se está, excelente. E como você reagiu a esse suposto ‘erro’? Você pensou: “Vou lagar esse texto pra lá, esse cara nem presta atenção no que escreve e fica se achando o blogueiro”. Ou ao invés disso lhe veio à ideia: “Vou enviar uma mensagem para que ele corrija isso, não vou colocar nos comentários, pois é deselegante, afinal, o texto é relevante”.

Considerações finais para o texto não ficar muito extenso: crie uma agenda semanal, determinando o que fará em cada dia para desenvolver suas habilidades profissionais, interpessoais e intrapessoais; tenha um tempo para praticar concentração e meditação; faça algo para agregar valor à sociedade, mesmo que seja algo pequeno; agradeça a Deus por tudo; e, esteja junto de quem gosta de você. Existem muitas outras técnicas para criar bons hábitos, agora cabe à você garimpá-las por si mesmo. Deixe sugestões nos comentários.